Mais escorregões da gestão Abad… entre outras coisas, um erro no código IBAN… o que significa mais 20 dias de atraso para receber um dinheiro do exterior… NORMAL!

Prefiro não analisar o jogo do sábado passado, já se falou o que todo mundo viu e sentiu.  Viramos fregueses e motivo de chacota.

E o pior: temos um time instável, inconstante e um treinador maluco.

Se aliarmos a isso o fato de termos um camisa 10 que fez apenas 1 gol em 32 partidas pelo Brasileirão…  

Se aliarmos a isso que o jogador com mais assistências do elenco é o Everaldo, com 6…

Se aliarmos a isso que o nosso ataque marca menos de 1 gol por jogo…

Se aliarmos a isso que a nossa defesa já foi vazada 39 vezes…

Se aliarmos a isso que o nosso saldo é de 8 negativo…

Se aliarmos a isso  que somente ganhamos 34% dos jogos disputados…

Se aliarmos a isso  que a nossa média de público é de 13.892 presentes nos 16 jogos em casa…

TEMOS A OBRIGAÇÃO DE FICARMOS PREOCUPADOS…  Vocês podem dizer que faltam 6 jogos e que pegaremos o Sport, o América-MG e o Ceará… mas quanto antes façamos o dever de casa melhor!

Outros dirão que estamos classificados para as semifinais da Sul-Americana e que agora temos que nos concentrar nisso…

Penso que são coisas distintas… que ambas merecem 100% de atenção pois quando o cobertor é curto qualquer desatenção te faz passar frio…

Falando em desatenção…

O Maracanã é fértil, as pessoas me procuram e me passam informações que preocupam… E essa veio direto de uma pessoa que esteve no Uruguai e lá soube de um babado forte…

Uma grana forte estava para entrar mas pintou um “pequeno” problema… Mas antes deixa eu explicar o que é um tal de código IBAN…

Resultado de imagem para código IBAn

“O que é e quando usar o código IBAN?

 IBAN é a sigla de International Bank Account Number, ou Número Internacional de Conta Bancária, em português. Ele é um código internacional que padroniza a identificação das contas bancárias.

O objetivo do código é diminuir ao máximo possíveis erros entre as transferências internacionais, já que existem muitas instituições bancárias, cada uma delas com diversas agências espalhadas pelo mundo, divididas entre os estados e as cidades. Para isso, foi criado um código padronizado que funciona como número de conta para operação internacionais.

Esse número foi regulamentado como padrão de identificação no Brasil em 14 de fevereiro de 2013, pelo Banco Central por meio da Circular Nº 3.625. O novo padrão foi estabelecido em consenso com as associações de bancos do país.

Como é formado o IBAN?

No Brasil, o código IBAN é formado por 29 caracteres alfanuméricos no total. Esse número pode variar de país para país.

Exemplo:

BR 38 60701190 01170 0000147266 C 1

As duas primeiras letras representam o código do país

Os dois dígitos na sequência são o código verificador

Os próximos oito números são o código identificador do banco no BACEN

Depois há o número da agência bancária

Em seguida o número da conta do cliente

A letra na sequência diz se a conta é corrente ou poupança

Por último, um número indica quantos titulares há na conta

Em outros países, o IBAN pode ter até 34 caracteres. Atualmente 69 países utilizam o código em suas transações. A lógica de composição do código é padronizada, como no exemplo acima.

Como saber o IBAN de cada banco?

A numeração do código IBAN está disponível no contrato de abertura da conta ou na seção de transferências internacionais da área logada do sistema online de cada banco.

Também é possível consultar ou validar um número no site do IBAN (que tem versão em português). Para encontrar o número clique em “calcular IBAN”. Para validar um código, clique em “Validar IBAN”. Há também a opção de ligar para a agência ou gerente da conta e pedir o código IBAN.

Importante:

O IBAN muda de acordo com a agência e com a conta. Algumas instituições financeiras exigem IBAN e SWIFT para realizar as transferências, outras apenas um dos códigos.

Qual é a diferença entre IBAN e SWIFT?

O IBAN funciona como um número de conta. Assim como os dados de agência e conta, que usamos no Brasil para transferências bancárias, ele é usado para identificar a conta de destino das remessas internacionais.

Já o SWIFT é um sistema que conecta as instituições financeiras pelo mundo. Ele codifica as informações enviadas pela rede para assegurar o sigilo e evitar fraudes. Cada banco tem um código SWIFT único, que é identificado pela rede para concluir a operação e, assim, transferir o valor de um banco para outro.”…

Fácil… muito fácil… qualquer BOÇAL consultando o Google consegue preencher esse formulário.

Pois bem o Fluminense estava para receber uma grana da primeira parcela referente ao “sell on” do Richarlison…

10% da diferença entre a venda deles (Watford x Everton) pra nossa (Flu x Watford)…

Na ânsia de receber o dinheiro pessoas do Conselho Diretor resolveram trazer para si a responsabilidade que pertence, em qualquer empresa que se preze e que seja minimamente mal administrada, ao Departamento Financeiro…

Conclusão:

Fizeram uma GRANDE CAGADA, erraram o código IBAN e com isso o dinheiro que entraria no dia X, só entrará no dia X + 20…

Repito:  Uma GRANDE CAGADA com as digitais de gente da Flusócio.  Simples assim.

Tudo isso que vos comento foi amplamente debatido no Uruguai (eu lá não estive)…

Mas além da GRANDE CAGADA, agora vem mais uma GRANDE COVARDIA… querem empurrar a responsabilidade desse morto nas costas do Diretor Executivo Financeiro (CFO) Eduardo Paes…

Coisa de gente covarde e inepta.

 

MUDANDO DE ASSUNTO…

E a SANATTO… quando é que o Fluminense vai pagar o que deve? Se não paga, os funcionários terceirizados, que vão para 3 meses de salários atrasados, não tem condições de trabalhar e o clube fica sujo e abandonado.

Ou isso faz parte do plano para ACABAR COM AS LARANJEIRAS, que no fundo é o desejo da Flusócio?

 

Ou a gestão Pedro Abad prefere deixar abandonado o Parque Aquático para que até mesmo não sócios (não convidados) invadam o recinto transformando as piscinas do clube em sinônimo de farofa e degradação?

É só ver a foto acima onde é visível a falta de um controlador nos acessos…

E os Esportes Olímpicos vão ficar calados até quando…

Ou preferem ficar calados submetidos a essa vergonha…

Isso de dizer que o clube não tem dinheiro É MENTIRA!

Resultado de imagem para cabezas fluminense

O que o Ricardo Correia, o Fabiano Camargo, o Marcelo Teixeira e o Pedro Abad tem para falar da contratação do CRACAÇO Bryan Alfredo Cabezas Segura, que pelo visto não tem “cabeça segura” (desculpem o fraco trocadilho)?  Quanto é o salário desse profissional? Podemos falar de 150 mil por mês?

Quem responde por isso? Quem é o pai do Kaique, do Junior Dutra, do De Amores?

Resultado de imagem para kaike fluminense

E por último:

ATÉ QUANDO O RELATOR DA COMISSÃO DO IMPEACHMENT VAI FICAR TARTARUGANDO o parecer que pelo visto é favorável a que seja votado o impedimento do Abad?

Pensei que o Relator tivesse saído da Flusócio… mas pelo visto a Flusócio não saiu dele.

Resultado de imagem para impeachment

No mais…

QUARTA-FEIRA É GUERRA! Tem que ser VENCER ou VENCER!!!

#FORAABAD

#FORAFLUSÓCIO

 

PS.: SUPOSTAMENTE sumiu uma mala de dinheiro por aí!!!

 

 

 

Tem que respeitar: ISSO AQUI É O FLUMINENSE, PORRA!!! (A história é cíclica, FORA flusócio)

Ontem, no final da grande vitória do Fluminense por 1 a 0 sobre o Nacional do Uruguai, com a conquista da classificação para a próxima fase, emocionado que estava,  lembrei-me do meu falecido Pai…

Na saída do Fla-Flu decisivo em 1973, quando conquistamos o Campeonato Carioca daquele ano, depois de colocarmos a mulambada de quatro, meu Pai, na descida da rampa do Belini, se dirigia aos flamenguistas  e gritava: “Tem que respeitar… Isso aqui é o Fluminense, porra!!!”…

Uma vez nas ruas e sem soltar-me das suas mãos de imigrante que tinha sobrevivido, ainda criança, à uma Guerra Civil ele dizia:

“Esses caras são do time do General Médici (o então Presidente da República) e acham que estão acima do bem e do mal, podendo fazer de tudo.  Falaram  que iriam ser bicampeões em cima da gente porque são o clube do povo e que com o Flamengo campeão a nação ficaria feliz e calada”…

Imagem relacionada

(foto: Manfrini marcando o 3º gol da goleada)

E continuou: “Mas isso aqui é o Fluminense porra, a nossa camisa tem mística, a gente sempre corre por fora, calados, e quando menos se espera, apesar desse Presidente de merda (neste caso falava do então Presidente do Fluminense, Jorge Frias de Paula, que no início de 1973 havia denunciado ao Doi-Codi, algumas das lideranças das Torcidas Organizadas do Fluminense, que haviam pichado os muros da sua casa com “Fora Frias”, como TERRORISTAS) somos campeões… Basta com que não atrapalhem aos jogadores e que o Duque (o treinador) faça o feijão com arroz, sem inventar, que essa camisa joga sozinha”…

Putz… 45 anos depois esse momento mágico voltou à minha cabeça…

Imagem relacionada

(foto: Dionísio, o Bode Atômico, deixando a mulambada de 4 e fechando o caixão… Fluminense – Campeão Carioca de 1973)

Sem fazer uma grande partida, mesmo desperdiçando algumas oportunidades, com um Gum (esse sim é Mito) imenso, com um meio de campo mordedor dono de uma fortíssima marcação, mas principalmente jogando como Fluminense, clube grande e dono de uma belíssima história, construída em grande parte dentro das Laranjeiras.

Estamos classificados e isso é que importa… a 4 passos do paraíso…

Mas a minha alegria foi além…

Se em 1985 por ocasião da Libertadores, nos éramos apenas 10 Tricolores em Buenos Aires… Ontem ao ver aqueles cerca de 500 torcedores, espremidos num espaço que mais parecia um curral  (OS URUGUAIOS CAGARAM NA CABEÇA DA DIRETORIA DO ABAD) cantando, se entregando, deixando a alma, sendo mais um jogador, fiquei deveras emocionado, sensibilizado e grato.

Minhas homenagens:

Ao SOBRANADA 1902 (com a sua grande liderança) e às Torcidas Organizadas do Fluminense… Fantásticos;

– À Fluruguai;

– Ao Vinícius Toledo, do Explosão Tricolor, que deu um SHOW de cobertura (enquanto isso o Marketing e a Comunicação do Fluminense só se dedicam a fazer propagandinha para o Abad);

– Aos amigos Julio Bueno, Marcos Furtado, Luciana de Farias, Gustavo Marins, Guilherme Aguiar, Raul Guilherme e Alexandre Vilella, entre outros, o meu muito obrigado.

De resto…

Esse Fluminense é PHODA!  Tem que aprender da HISTÓRIA (história essa que esses renegados da Flusócio querem apagar pois pretendem acabar com as Laranjeiras, inclusive estão boicotando EXPLICITAMENTE o Projeto de Reforma, Ampliação e Revitalização das Laranjeiras)…

E tanto a história do Tricolor e a do país se confundem e repetem…

Há 45 anos era o Duque que deveria fazer um feijão com arroz sem inventar… ontem, mesmo com as suas rotineiras substituições malucas, no geral o Marcelo Oliveira fez esse mesmo feijão com arroz…

Há 45 anos o Presidente Jorge Frias, era odiado pela nossa torcida e se queixava dos nossos torcedores à polícia…

Hoje, o Presidente Pedro Abad é odiado pela nossa torcida e me denunciou à Polícia Civil e tenta processar-me…

Há 45 anos o Presidente da República, o General Emílio Garrastazu Médici (que presidiu o governo mais facínora da história do Brasil) era popularesco e não gostava de gente que pensava diferente dele…

Hoje nós temos o Bolsonaro…

Há 45 anos a gente calava o restante do Rio de Janeiro…

Hoje nós somos o Rio de Janeiro na América do Sul.

Há 45 anos o Frias tinha um Estatuto que o protegia uma vez que foi eleito de forma indireta…

Hoje, estamos aguardando o relator da Comissão que analisa o Pedido de Impeachment do Abad emitir logo o parecer… Já está demorando muito…

Há 45 anos o clube era formado por gente decente…

Hoje…  nisso   realmente os tempos mudaram… Nós temos que conviver com os MULAMBUS do alto clero da flusócio, que só aparecem nas vitórias com seus textos mentirosos… coisa de covardes.

No sábado teremos o Vasco pela frente… é bom ficar atentos… pois de outra forma vai ficar claro uma coisa… que o cobertor é pequeno… de que adianta cobrir a cabeça e deixar que os pés fiquem congelados.

No mais!

“Tem que respeitar: ISSO AQUI É O FLUMINENSE, PORRA!!!”

Não pare de cantar…

“Vamos pra cima Fluzão… QUEREMOS GRITAR É CAMPEÃO!”

Saudações TETRACOLORES

Antonio Gonzalez

 

Deixo aqui, um pequeno texto que define um ser popularesco daquele 1973

(https://medium.com/arquibancadaantifa/%C3%A0-sombra-da-ditadura-m%C3%A9dici-9dff88450cdf)

(foto: Médici no Maracanã — flamenguista e apaixonado pelo futebol e quase sempre visto nos estádios)

“À sombra da ditadura: Médici

Com a política interna conturbada, Lincoln Gordon, latifundiários e empresas estrangeiras instaladas no país, caminhávamos como um cordeiro rumo ao abate; Ambiente propício e completamente favorável para o golpe de 1964 no qual instauraria a ditadura militar no Brasil que duraria 21 anos. Assim como em qualquer outro ambiente, o futebol não ficou de fora do militarismo, autoritarismo, tensão, propaganda, mas acima de tudo resistência. Estrategicamente bem utilizado para manipular as massas, o futebol torna-se alvo de forte acesso para general Emílio Garrastazu Médici na década de 70.

Médici, nos braços da geral

É quase impossível não relacionar o Médici com o futebol, flamenguista e apaixonado pelo futebol e quase sempre visto nos estádios, o “28.º Presidente do Brasil” completa a lista de presidentes-ditadores junto a Castelo Branco, Costa e Silva, Geisel e Figueiredo. O ditador deu nome ao “Torneio do Povo”, oficialmente chamado de Torneio General Emílio Garrastazu Médici, inicialmente disputado por Flamengo, Atlético-MG, Internacional e Corinthians (campeão da edição de 1971). O Torneio do Povo tinha como intuito reunir os times com as maiores torcidas de seus respectivos estados; Teve como campeão na edição de 72 o Flamengo e em 73 o Coritiba.”

FIM DE LINHA: Antonio Gonzalez não pertence mais aos quadros do Observatório do Fluminense!

Caros Tricolores

A vida é feita de ciclos e neles vivemos boas e más experiências.

No dia 19 de março de 2014 fui convidado pelo amigo e irmão Julio Bueno para ser o responsável pela logística e o Gerente de Conteúdo do, então blog, Observatório do Fluminense.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e texto

Passaram-se  4 anos e 7 meses desde aquela data.  O blog que até aquele momento não havia deslanchado, apesar de toda a sua classe inicial, começou a crescer.  Conseguimos então implementar um ritmo de trabalho que sempre primou pela qualidade das publicações.  Tivemos a oportunidade de transformá-lo em um portal diferenciado que sempre trilhou a escolha  pela boa e cristalina opinião.

Desde o momento zero procurou-se seguir uma linha editorial que primasse (através da verdade, da coerência e da transparência) pela busca dos caminhos que pudessem levar o Fluminense ao encontro da sua perenidade.

A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo

E assim, PROFISSIONALMENTE, procurei trabalhar…

Conseguimos!

Nesses 55 meses para nada fomos “populescos”, muito menos permitiu-se que o Observatório do Fluminense fosse instrumento de politicagem.

E nisso os princípios morais e éticos, do meu amigo e irmão Julio Bueno, alinhados com a sua inteligência, com a sua classe e elegância, fizeram com que eu entrasse de corpo e alma no projeto de levar à torcida e aos sócios do Fluminense uma informação pautada na qualidade do conteúdo e na opinião sempre transparente.

Ao longo desses mais de 1.650 dias, sendo 1.200 como portal, foram publicadas mais de 600 colunas e 380 Editoriais (dos quais escrevi 340).  Numa linha mais direta com os associados do Fluminense,  36 Newsletters foram enviadas.

O Observatório do Fluminense foi vanguarda, inovou, marcou tendências que, nos dias de hoje,  são utilizadas pelo próprio clube em suas redes sociais. As fotos / posts se tornaram uma realidade.

Entretanto:

“A vida é feita de ciclos e neles vivemos boas e más experiências”…

Nesse momento quero comunicar a todos os Tricolores, principalmente aos leitores e seguidores do Observatório do Fluminense, que estou me desligando do portal por minha livre iniciativa.  Noutras palavras: me demiti.

Além do desgaste natural que existem nas relações, existiu de minha parte uma discordância para com a forma de gerir e de ver o portal, da atual direção.  Nada além disso.

O Observatório do Fluminense em matéria de OPINIÃO não devia nada a nenhum portal ligado ao Fluminense e até mesmo, a nível do futebol nacional.

Infelizmente nem todos pensam assim.

Com isso um cacife de 185 mil pessoas no Facebook (que chegou a ter a visibilidade de mais de 300 mil em um post) está sendo deixado de lado.

Não existe muito mais para falar.  Somente para agradecer:

a) Em primeiro lugar ao meu amigo e irmão Julio Bueno: MUITO OBRIGADO!!! Aprendi muito, conviver com você numa reunião onde se fala do Fluminense, é um privilégio (imaginem em várias reuniões). Sem falta de humildade, pelo contrário, por gratidão posso afirmar que se hoje eu tenho um estilo de escrever, devo isso a você. Pena que por razões profissionais teve que se afastar da direção do O.F..  Mas bato no peito e afirmo: Julio Bueno é o meu candidato eterno para a PRESIDÊNCIA do Fluminense.  É o único HOMEM QUE EU CONHEÇO com inteira capacidade para tirar o clube do buraco em que se encontra;

b) Meus agradecimentos de forma também intensa para os irmãos Marcos Furtado e Carlos Henrique Ferreira. Apesar de fatores externos, as nossas amizades provaram que são mais fortes.  A vocês, a minha eterna gratidão;

c) Woden: Começando por um dos seus sócios, o Arthur Nunes, pessoa de caráter ilibado. Passando pelos Gerentes de Conta com quem convivi: o Cadu Rocha, a Hilana Zimerfeld, o Gemmal e o Belo. E o que falar da designer Bárbara Baltar? Você é um grande ponto fora da curva, dona de um trabalho espetacular. Ao Yan Caetano, o homem das redes, meu respeito e reconhecimento. A Roberta Cavalcanti, minha SUB predileta e do coração, que sempre mostrou ser um porto seguro de tranquilidade… A todos os demais…  desenvolvedores, pessoal de manutenção, recepcionistas, telefonistas,  mensageiros e pessoal do café, recebam o meu muito obrigado;

d) Ao Luiz Eduardo Queiroz (Jornalista da Woden): Poucas vezes na vida (quase 57 anos e trabalhando desde os 12) eu tive tanta afinidade profissional com uma pessoa. O Luiz é simplesmente EXCELENTE. Juntos fizemos uma grande dupla tipo Pelé (ele) e Coutinho ou o nosso Casal 20, Assis e Washington.  Um cara, TRICOLOR, desses que vale muitíssimo a pena. Se algum dia eu voltar a embarcar numa aventura como essa, a condição sine quo non, é que você participe;

e) Aos COLUNISTAS que muito contribuíram na construção dessa bela trajetória: Nelson Rodrigues Filho (foi o 1º a aceitar o convite), Heleno Sotelino (que em paz descanse), Rodrigo Gonçalves, Gustavo Marins, Bruno Carril, Edgard Nascimento, Nelson Ferreira, Mônica Cury, Thiago D’Aguiar, Rafael Castro, Thiago Rachid, Sergio Neves, Eduardo de Moraes, Big Wolf, Miguel Pachá, Marcia Justo, Carla Andrade, Isabelle Suarez, Eduardo Miranda, Nicolas Bessa, Vitor Delphim, Carlos Ragazzo, Pedro Trengrouse, Flávio Martino, Pedro Luiz El-Bainy Carneiro, Alexandre Vilella, Carlos Henrique Faria, Leandro Capela,  Fernando Barreto, José Luiz Azevedo, Marcelo Kieling, Renato Wave, Carlos Tricolor e Ademar Arrais…  A todos vocês o meu MUITO OBRIGADO;

 f) A todos que tiveram textos publicados nas seções Debate e Artigos, além dos que foram convidados especiais para escreverem o Editorial: Paulo-Roberto Andel, Vicente Dattoli, João Claudio Boltshauser, Miguel Pachá, Marcelo de Carvalho, Caio Barbosa,  Renato Vieira de Abreu, Luiz Couceiro, Felipe Fleury, William da TFF, Leonardo Moretti, Wagner Aieta, Rogério Micucci, Paulo Studart, Paulo Cesar Nântua, Rodrigo Baroni, Walcyr Borges, Michael Simoni, Fabio Nascimento e Carlos Henrique Ferreira… A vocês também o meu agradecimento eterno;

g) Aos sites, blogs e grupos políticos: Panorama Tricolor, O´Tricolor.com,  Explosão Tricolor, NetFlu, Buteco Tricolor, Flulink, SempreFlu, Blog Laranjeiras, Terno e Gravatinha, FluNews, Futebolzinho.com, Por Amor ao Fluminense, Unido e Forte, Vence o Fluminense, Flu 2050, Grupo Base, Pró Flu, Flu + e MR21. Valeu! Aprendi muito com vocês;

h) Um agradecimento especial aos meus amigos da Flu 2050: Cacá Cardoso, Miguel Pachá, Eduardo de Moraes, Gilson Maurity, Sandor Hagen, Idel Halfen, entre outros. Sou grato e gratidão não tem data de validade. Muito obrigado!;

i) Aos patrocinadores: Gustavo Gigio Design, CDI Foodservice, Ultramar Turismo, DB Seller e Luna Freire Advogados Associados, o meu agradecimento;

j) Torcida: Ao SOBRANADA 1902, Força Flu, Young Flu, Fiel Tricolor, Garra Tricolor, Flunitor e Bravo 52…  Vocês são fundamentais na história e no futuro do Fluminense;

k) E a todos que teceram críticas aos textos que escrevi… tenham a certeza que o carinho e a admiração são recíprocos.

“Y con eso y un biscocho hasta mañana a las ocho”…

Foi um casamento bonito, com as nuances que possam existir em intensas relações…

Mas ACABOU!

Seguirei o meu caminho.

E mesmo estando trabalhando (em conjunto com outras pessoas) na criação de um #MOVIMENTO, neste momento não me sinto preso a nenhuma corrente política, livre que estou para falar realmente TUDO o que penso, não dando espaço para que ninguém converse em meu nome.

Mas fica claro desde já: o meu ombro não está disponível para ninguém que queira ou precise dele para começar a sair na foto.

Menos ainda vou dar cheque em branco a ninguém, nem tem essa de apoio incondicional.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

Quem quiser contar comigo que aprenda que há algum tempo a banda toca diferente. Por história não preciso pedir autógrafo, nem licença para ninguém.

De resto…

A todos os 185 mil (chegaram a ser 192 mil) seguidores do Observatório do Fluminense a minha gratidão.

Ao Observatório do Fluminense o meu respeito e o desejo de longa vida.  Principalmente porque o Fluminense necessita de um portal com esse estilo.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

Despeço-me  com essas fotos que representam alguns  dos momentos mais felizes do Observatório do Fluminense.

No mais, sabendo que “a bola não entra por acaso”, o ANTONIO GONZALEZ, para tristeza de alguns, continuará observando, sabendo mais do que nunca que as promessas, assim como palavras, o vento leva.

Saudações Tetracolores

Antonio Gonzalez

#FORAABAD

#FORAFLUSÓCIO

#MOVIMENTOA imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Piada (de mau gosto) do dia (Ensaio sobre a cegueira – versão tupiniquim na brasa lenta ou a Flusócio, novamente, MENTE!)

Que me perdoe José Saramago por estar utilizando o título de uma das suas grandes obras.  Mas…
“O que me tranquiliza é minha forma de agir, honesta, correta, informando as pessoas sobre o que acontece dentro do clube, tomando decisões não só da minha cabeça.” (by Pedro Abad – Jornal LANCE – 26/10/2018)
 
Me digam uma coisa: como é que a Assessoria de Comunicação permite ao Abad que ele mesmo se desminta?
 
Quem foi que falou no dia 3 de dezembro de 2017:
 
“Existem ações que são polêmicas e que, se explicitadas, tornam-se inexequíveis, pela repercussão. O que foi feito é uma delas. Eu detenho o poder de decidir e, muitas vezes, isso é exercido de forma solitária, recaindo sobre mim o ônus e o bônus da escolha. O bônus foi ter melhorado nossa arquibancada e termos feito 7 pontos em 3 jogos. O ônus, muito maior, foi ter vivido o dia de ontem e ver pessoas se afastando. Não ter trazido para ninguém essa decisão visava poder de fato tomá-la e operacionalizá-la, bem como não expor os demais ao ônus dela.” ???
 
E essas palavras OFICIAIS foram publicadas na Globo.com:
 
https://globoesporte.globo.com/futebol/times/fluminense/noticia/em-carta-abad-explica-cessao-de-ingressos-a-organizadas-e-admite-temer-punicao.ghtml
 
Mas vamos além:
 
“Espero que entendam minha posição: foi na tentativa de preservá-los e poder, efetivamente, fazer o que achei melhor para o nosso clube. Como sempre fui sincero, digo que se, precisar fazer algo que julgue melhor para o clube sem avisar, vou fazer. Óbvio que me aconselho com pessoas de confiança, mas a decisão é minha.”
 
Putz… Ou seja… Ele esqueceu o que falou de forma OFICIAL…
 
E por último:
 
“Ao Filipe Dias [funcionário do marketing], obrigado por ter sido leal. Fiz questão de assumir perante as autoridades a responsabilidade e colocá-lo, junto do Artur [assessor de imprensa], como executores de uma ordem minha.”
 
Ora SENHOR PEDRO ABAD…
 
Decida-se… pode ser que na sua cabeça “as palavras o vento leva”, mas quando elas são ditas em uma CARTA  OFICIAL do Fluminense a coisa muda de figura…
 
Existe um claro desequilíbrio no discurso… resta saber se foi na a carta do dia 03/12/2017 ou na entrevista publicada hoje (26/10/2018) no jornal Lance…
 
Então SENHOR PEDRO ABAD… que tal a gente falar a verdade sobre os fatos:
 
Existe uma carta assinada por TODOS OS MEMBROS do seu Conselho Diretor,  em  Fevereiro/2018, onde ficam claras de quem são as responsabilidades e as autorias das CAGADAS que aconteceram no final do ano passado e no início deste…
 
Pode ser que a sua Assessoria de Comunicação não saiba desse fato… Imagine o terremoto que a publicação dessa carta / documento pode causar… ACABA A SUA GESTÃO!
 
Essas “entrevistinhas” realizadas e publicadas nos últimos dias com o fim de mostrar o quão o SENHOR PEDRO ABAD é bonzinho, não passam de mais um FACTOIDE com o selo de qualidade da Flusócio, do Peter (aquele que o SENHOR PEDRO ABAD defende até hoje) e com a marca de terem rebaixado o Fluminense em 2013, com TODO O DINHEIRO que a UNIMED despejou no clube.
 
Pode ser que na forma de vida do SENHOR PEDRO ABAD seja comum isso de que “as palavras o vento leva”
 
Mas a história do Fluminense, do VERDADEIRO FLUMINENSE (não a desse tal de “novo fluminense”) tem que ser conhecida tal qual ela foi escrita… por gente de bem e que nunca colocou os interesses pessoais acima do clube…
E   não essa endossada por  um bando de debiloides (alto clero da Flusócio) que no melhor dos casos tem menos de 20 anos como sócios do clube.
 
Por último… um conselho…
 
Trate de trazer a classificação do Uruguai… e fale menos…
 
Esse tipo de imagem que o SENHOR PEDRO ABAD quer passar já é deveras conhecido da Torcida do Fluminense… NÃO COLA MAIS!!!
 
Por isso…
 
#FORAABAD
#FORAFLUSÒCIO
 
#MOVIMENTO

Oportunidade jogada fora… dos males, o menor…

Outra vez o time do Fluminense voltou a decepcionar a nossa torcida, algo comum nos últimos 6 anos…

O 1 a 1 de ontem à noite obtido no Engenhão até pode não ser encarado como o pior dos males, qualquer vitória simples no jogo de volta (caminho mais fácil) ou qualquer empate a partir dos 2 a 2, podem nos classificar para a próxima fase…  Entretanto, a bem da verdade, só nos resta torcer, o sentimento dos nossos torcedores caminha em outra direção…

Do jogo em si tenho pouco para falar… com 10 minutos de partida a definição era clara: nossa equipe entrou fora da sintonia da nossa torcida, que mais uma vez foi o nosso melhor jogador.

Já avisei ontem nas redes sociais de que o nosso elenco é fraco, limitado… basta encontrar pela frente uma equipe organizada, para que a falta de cérebro, principalmente do nosso meio de campo, apareça.

Assim como o treinador temos um time burro e precipitado.  Com 1 a 0 a nosso favor, mesmo com a forte marcação dos caras a partir da nossa intermediária, bastaria fazer com que a cabeça funcionasse com tranquilidade, sem precipitações, chutões  para qualquer lado…

Jogar com 3 zagueiros: não pode ser por medo e sim por convicção.  Se  os alas não são explorados, tornando-se senhores e amos das respectivas laterais do campo, o meio congestiona pela falta de visão e ambição de cara à baliza adversária.  Se quem deveria ser a tua cabeça pensante, no caso o Sornoza, nada produz e se limita a pentear a bola, caracoleando mas sem profundidade e verticalidade, com certeza o teu ataque terá muitas dificuldades de cara a portaria contrária.

E se para colocar a cereja no bolo da ruindade futebolística, o teu time desperdiça inúmeros contra-ataques do tipo 2 contra 2 ou 3 contra 3, fica difícil não ocupar o muro das lamentações na Álvaro Chaves, 41…

Neste post não quero tocar o viés político…

Mas faz-se necessário dizer o nome das pessoas que fizeram futebol no Fluminense desde 2013, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018:

a) Peter Siemsen;

b) Pedro Abad;

c) Mario Bittencourt;

d) Ricardo Tenório;

e) Sandro Lima;

f) Fernando Veiga;

g) Fabiano Camargo;

h) Rodrigo Caetano;

i) Felipe Ximenes;

j) Paulo Angioni;

k) Jorge Macedo;

l) Fernando Simone;

m) Marcelo Teixeira.

Ou seja, tirando os profissionais de fato (aqueles que foram contratados de fora do clube), TODOS os outros tem o selo de identidade o fato de terem sido indicados pela Flusócio.

Ainda querem saber o que outros entendem de futebol… qualquer ser normal, que conheça a história do Fluminense, sabe muito mais do que todos eles.

Basta ver o que eles conseguiram de 2013 para cá:

N A D A ! ! !

Ponto positivo: como sempre nossa torcida deu show.  Foi muito bom ver a Força Flu sendo protagonista. Todos merecem o meu aplauso.

Que venha o Santos… pois ainda faltam 6 pontos… Santos (f), Vasco (c), Sport (c), Palmeiras (f), Ceará (c), Bahia (f), Inter (f) e América-MG (c)…

Faltam 8 jogos, 24 pontos a serem disputados… Como torcedor vejo a possibilidade de conquistarmos 11 (3 vitórias e 2 empates)…  Mas o meu lado iceberg (coração maltratado por excessivo amor ao Fluminense) diz para que não brinquemos de fazer futebol.

De resto…

#FORAABAD

#MOVIMENTO

Soy Latinoamericano… Quarta-feira é Guerra!

“Coração americano
Acordei de um sonho estranho
Um gosto, vidro e corte
Um sabor de chocolate
No corpo e na cidade
Um sabor de vida e morte
Coração americano
Um sabor de vidro e corte” (San Vicente  –  Milton Nascimento)

Hoje temos que colocar toda a voltagem direcionada à Copa Sul-Americana. O jogo contra o Nacional do Uruguai vai ser o primeiro grande desafio que enfrentaremos na competição.

E não se trata de um clube qualquer: na sua sala de troféus tem 3 Libertadores, 3 Intercontinentais, 2 Interamericanas e 1 Recopa Sul-americana…  muito peso nas costas que o digam.

Ou seja, é um adversário que tem uma camisa de peso.

Levo fé nos nossos jogadores, nada além disso, pois o elenco como um todo é fraco, o treinador Marcelo de Oliveira, como muito mediano. Entretanto a força da nossa torcida vai ser quem irá ditar o ritmo. Se os nossos torcedores entrarem em alta sintonia, podem fazer a nossa camisa jogar e muito.

Sem dúvida, vai ser a primeira das 6 decisões que teremos pela frente para a conquista do torneio. E a nossa história necessita mais do que nunca esse feito.

Apesar da minha ojeriza à gestão Pedro Abad, Flusócio, Democracia Tricolor (os mesmos que elegeram o Gil Carneiro e o Álvaro Barcelos), é preciso deixar essas diferenças de lado durando os 100 minutos de jogo. Depois, qualquer reação espontânea, vinda das arquibancadas, se tiver que rolar… rolará!

Portanto… Hoje… QUARTA-FEIRA É GUERRA!!!

#MOVIMENTO

#FORAABAD

PS 1 – A minha solidariedade aos funcionários da Sanatto que estão sem receber há 3 meses;

PS2 – Essa imagem foi tirada do vídeo da final do Campeonato Carioca de 1995… A FORÇA FLU veio pesada…