Coisas (por Antonio Gonzalez)

Na resolução das coisas, das coisas mal resolvidas…

Talvez das coisas que não queremos resolver!

Certamente: coisas que não se resolvem.

Coisas que não são mais do que coisas, coisas que são apenas coisas…

Coisas com sentimentos, nos sentimentos que são coisas.

Na chuva de coisas, das coisas na chuva, causada pela reação das coisas.

Coisas do coração, no coração das coisas…

Na sensação das coisas, nas coisas sem sensação!

No infinito das coisas, nas coisas infinitas, nas coisas com fim, no fim das coisas…

Não sei o que é pior?

As coisas do medo… ou o medo das coisas?

Para que ficar irritado se são apenas coisas?

Terminando, a última coisa:

QUEM ENTENDE O SER HUMANO

Salvador, Bahia – 25/07/2.002

x x x x

Eu com 41, ela com 23. Rolou, foram 2 anos intensos para o restante da vida sem tensão, falecido, por ela, o meu tesão… De louca paixão ela fugiu para viver a louca vida. Foi bom, não me arrependo. Aquele julho de 2002 valeu uma vida, fui feliz.

Me he dejado juzgar por los comemierdas

A música do francês Patrick Bruel é fiel representante do peso das palavras que leva consigo. Casser La Voix é um hino… Romper La Voz é uma visceral sucuri… Sem medos, certeira. A letra abaixo merece uma viagem celestial.

Romper La Voz (Casser La Voix)

Esta noche no tengo ganas de callar,
Esta noche puede pasar todo en este bar,
Esta noche estoy a punto de estallar,
Esta noche yo me quiero romper la voz.

Romper la voz, Romper la voz,
Romper la voz, Romper la voz.

No creo ya lo que hay pintado en la pared,
No creo ya el mismo rollo otra vez,
No estoy para sonrisas de salón,
Déjame gritar mi rabia déjame…

Romper la voz, Romper la voz,
Romper la voz, Romper la voz.

Los amigos se van, los otros se quedan,
Me he dejado juzgar por los comemierdas,
Encuentros fallidos, tiempo que se quema,
Jóvenes cansados, viejos que esperan.
Flashes que nos ciegan desde el televisor,
Bufones que imponen el color del amor.
Vagar por la ciudad sin sentirse mejor,
Y ese miedo sin fin y ese puto dolor.

Romper la voz, Romper la voz,
Romper la voz, Romper la voz.

Chicas de la noche las que huyen del sol,
Un revolcón con ellas lo llamamos amor !
La vergüenza maldita que el espejo devuelve
Reflejando el vacío y un perdón urgente.
Ver a un niño sufrir y a un hombre llorar,
Y tener que admitir tanta mediocridad.
Canciones que nacen como un grito feroz,
Desgarran mi garganta hasta romper la voz.

Romper la voz, romper la voz,
Romper la voz, romper la voz.

Esta noche no tengo ganas de callar,
Esta noche puede passar todo en este bar,
Esta noche estoy a punto de estallar
Esta noche, sí esta noche,
Yo quiero romperme la voz.

Romper la voz, Romper la voz,
Romper la voz, Romper la voz.

Estou sempre à disposição, nem precisa bater na porta, a conversa é retilínea

(orando pelo José Roberto Castro Ciminelli, que está internado com Covid. Que Deus te abençoe)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *