CARTA ABERTA PARA O RUBINHO, PRESIDENTE DA FERJ (por Antonio Gonzalez)

Rio de Janeiro, 23 de julho de 2020

Ao Presidente da FERJ – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro

Exmo. Sr. Rubens Lopes da Costa Filho

Caro Senhor

Deixemos as formalidades por aqui, afinal de contas todo mundo te conhece por Rubinho, que é  Presidente da FERJ desde 2006.  Não obstante também foi Presidente do BAC, Bangu Atlético Clube, em 2 oportunidades (1989/1991 e 2001/2002).

O gigantesco Bangu – Campeão Carioca em 1933 e 1966

Veja bem como é curiosa a relação da FERJ com o Bangu!

Você que é ex Presidente do Bangu, é o número 1 da FERJ há 14 anos.

Entre 2004 e 2006, o clube de Guilherme da Silveira (estação de trem) teve uma Presidente, a Sra.   Rita de Cássia Trindade.  Sobre ela o site “não oficial” Bangu.net diz o seguinte: “O presidente executivo João Paulo Giancristófaro, em meio a crise, foi substituído por Rita de Cássia Trindade – a primeira mulher a ocupar o posto máximo do Bangu Atlético Clube.

Curiosa a história de Rita dentro do Bangu. Iniciou em 1991 como secretária após ler um anúncio de emprego no jornal e com o passar dos anos tornou-se uma espécie de “braço direito” do presidente Rubens Lopes. Foi seu próprio “padrinho político” quem a guindou ao cargo – numa tentativa de amenizar as críticas que o alvirrubro vinha sofrendo de torcedores e imprensa. Pouco adiantou.”.

Essa é a visão de alguns Banguenses.

Pois bem, para minha surpresa, segundo o site da FERJ, a Dra. Rita de Cássia Trindade era (pelo menos até 07/09/2019) a Diretora de Registros e Transferências de Atletas da FERJ.  Sabe-se lá desde e até quando.

Mas vamos em frente, logo eu que em seu dia pensei que depois do Ídolo Castor de Andrade (máximo respeito) o maior banguense vivo era o Wilson Amorim, chefe da torcida com o seu inseparável megafone com o qual passava instruções aos jogadores.  Na verdade Rubinho você não passava de um ilustre desconhecido para quem frequentou as arquibancadas do Maracanã. Já com o Amorim  e a sua bandinha era diferente, pessoa super respeitada pelas torcidas do Fluminense, do Flamengo do Botafogo e do Vasco.

E qual é a razão da minha carta?

Fácil. 

Gato o que?

Esta tarde chegou às minhas mãos uma matéria da Globo.com com a seguinte manchete:

“Rubens Lopes move queixa-crime contra Mário Bittencourt, e Ferj pede indenização por “faniquito”  –  Presidente do Fluminense vira alvo de presidente e vices da federação por post “Gatoferj””…

Cá para nós Rubinho, você ficou incomodado com o Presidente do Fluminense Football Club, Mário Bittencourt, porque ele usou o termo GatoFERJ?

Para de show Rubinho. 

O Mario Bittencourt foi muito educado.

Quer saber por quê?

Se a FERJ fosse somente ruim!?!?

É que para a totalidade da gigantesca TORCIDA DO FLUMINENSE, a FERJ, instituição (sic) que é presidida por você, passa longe dos felinos.

Para nós Tricolores a FERJ é vista como um antro de Supellas longipalpas, com apetite de Coragyps atratus, mas que em realidade são a mais pura imagem de uma família de roedores.  Não é somente a minha opinião.  Basta pesquisar nas Redes Sociais desde os tempos do Orkut até os dias de hoje seja no Facebook, no Twitter ou no Instagram. 

Que fique claro: Tanto você, como a FERJ são ODIADOS pela Torcida do Fluminense.

Amadorismo???

Portanto não desate a sua ira em cima de quem teve coragem de peitá-lo.

Repito: o Mario Bittencourt foi muito educado. 

Tem gente se referindo a você como o Rubinho do Covidão.  E como dizer a quem te chama de Rubinho do Covidão para não fazer isso contigo se enquanto o teu aliado, o Clube de REGATAS do Flamengo, voltava a jogar no Maracanã por decisão inescrupulosa e temerária da FERJ, na mesma hora, no Hospital de Campanha instalado no antigo Célio de Barros, faleciam 2 cidadãos brasileiros em decorrência do Coronavírus, o Covid-19?

82.890 mortes por Covid-19 x o descaso da FERJ, do Flamengo e do Vasco

O que acontece é que pelo visto tem gente na Justiça brasileira que  parece que gosta de perder tempo com assuntos menores.

Tem tanto bandido de colarinho branco solto por aí, que fica difícil prender todo mundo. 

Sem contar os Presidentes e dirigentes de federações desportivas, inclusive do COB, que já tiveram a visita da Polícia Federal.  Alguns continuam frequentando o Hotel do Estado (também conhecido como presídio), outros utilizam adornos em seus tornozelos numa Balada Utópica Neo-Hiponga Psicodélica Progressiva.

Condenado a quatro anos de prisão, Marin chora ao receber sentença
Acusado por crimes de recebimento de propina, desvio de dinheiro e fraude bancária, o ex-presidente da CBF foi aos prantos ao mencionar sua família em julgamento

É injusto para com a Justiça brasileira, fazê-la perder tempo com assuntos como esse.  Por um simples gatinho.

Ora senhor Rubinho… posso falar em primeira pessoa: o próprio Mario Bittencourt me processa.  Tudo está na forma daquele que lê o que você escreve e do jeito que ouve e interpreta o que você fala. Nada além disso.  Na maioria dos casos não passa de puro achismo.  Ao dizer que uma pessoa é feia para nada a estou chamando de horrorosa.

Repito: o que é um simples gatinho se para a imensa Torcida do Fluminense a FERJ não passa de uma amálgama de baratas, urubus e ratos. Juntos e misturados.

Quer dizer então que você Rubinho, que é herdeiro político do detestável Caixa d’Água vai processar a toda a Torcida do Fluminense?

Claro que não!

A lentidão da Justiça passa pelo número de processos infantis

Por outro lado se eu fosse o Presidente Mário Bittencourt eu ingressaria amanhã na Justiça perguntando sobre uma situação que envolve o ex jogador do Fluminense (cria de Xerém) Pedro (hoje no Flamengo), o Bangu e a FERJ.

Para começo de conversa o Bangu recebeu R$ 380.000,00 (trezentos e oitenta mil reais) por direito de formação sobre o atleta, na ocasião da venda dos direitos do jogador, pelo Fluminense para a Fiorentina (Itália).

Mas que direitos são esses?

Player Passaport do jogador Pedro Guilherme

Vendo o PLAYER PASSAPORT  do jogador Pedro Guilheme Abreu dos Santos, nascido em 20/06/1997, documento da CBF, descubro que entre agosto de 2011 e abril de 2013 o atleta havia estado filiado ao Bangu. Só que esqueceram de avisar ao jogador.

Veja a entrevista do minuto 1 até o 1m50, onde o Pedro fala da sua trajetória até chegar no Fluminense

Em entrevista ao Zico https://twitter.com/TomRegueirasgon/status/1228545159564013569?s=08 o Pedro é explicito:  começou no Flamengo, foi dispensado, ficou um tempo sem clube, até que foi parar no Duquecaxiense.

E o Bangu?

Então o Presidente Mario Bittencourt tem a faca e o queijo na mão:

Quem registrou na FERJ a filiação do atleta Pedro Guilheme Abreu dos Santos, nascido em 20/06/1997, no Bangu Atlético Clube?

Quem era responsável na época (entre agosto de 2011 e abril de 2013) pelos registros e transferências de atletas na FERJ?

E o Presidente Mario Bittencourt pode ir além: basta requisitar uma, apenas uma, súmula do atleta em jogos entre entre agosto de 2011 e abril de 2013, do Pedro com a camisa do Bangu.

Será que existe?

A pergunta que fica é clara:  se o próprio jogador não cita o Bangu como clube na sua carreira na base, por que o Bangu recebeu R$ 380.000,00 (trezentos e oitenta mil reais) por direitos de formação?

Tanto o Fluminense, como o Flamengo e o Duquecaxiense tem que reivindicar essa cifra pois esses 380 mil tem que ser devolvidos e repartidos entre esses clubes. Supostamente foram lesados.

Gatos?

Então se eu fosse Presidente do Fluminense eu tiraria do fio desse novelo de lã.  Com toda a certeza essa lã não é sintética, é da ovelha que foi comida pelas raposas.

Então o tal de GatoFERJ é café pequeno diante da lã da raposa.  E a grande pergunta é que faço aos Presidentes Rubinho e Mario Bittencourt: quem é a verdadeira raposa que lidera a raposada?

Portanto Senhor Rubinho, preocupe-se com o bom funcionamento da entidade que você dirige há 14 anos e que hoje, com toda a certeza, está entre as mais desvalorizadas do país, sem a mínima representatividade e credibilidade.

Explique esse furdúncio envolvendo ao jogador Pedro. Com certeza é muito mais importante que a existência do GatoFERJ.

Foi penalti né… Passados 35 anos… Fluminense Tricampeão Carioca 1983/84/85

Entendo a sua raiva contra o Fluminense, afinal de contas foi pênalti do Vica no Claudio Adão aos 45 minutos do 2º tempo, o Bangu perdeu o jogo, o Fluzão foi TRICAMPEÃO e vocês não existem há 54 anos, desde 1966.

Evangelho de São Mateus, capítulo 7

Termino essa carta em tom de paz, citando aos Sagrados Evangelhos.  Vamos de Mateus, 7:

“E como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho de teu irmão. Não deis o que é sagrado aos cães, nem jogueis aos porcos as vossas pérolas, para que não as pisoteiem e, voltando-se, vos façam em pedaços.”

De resto: MIAU!

Traduzindo o significado desse miado:  é um canto que a Torcida do Fluminense já cantou nas arquibancadas…

Tipo… O PEDRO VAI TE PEGAR!

Consultas:

http://www.fferj.com.br/Noticias/View/17168

http://www.espn.com.br/noticia/517103_federacao-carioca-emprega-filhos-sobrinhos-e-ate-pai-de-dirigentes

https://www.bangu.net/informacao/livros/nosequesomosbanguenses/2004.php

https://globoesporte.globo.com/futebol/times/fluminense/noticia/presidente-da-ferj-entra-com-queixa-crime-contra-mario-bittencourt-por-gatoferj-faniquito.ghtml

Uma resposta para “CARTA ABERTA PARA O RUBINHO, PRESIDENTE DA FERJ (por Antonio Gonzalez)”

  1. Que história sórdida essa. Tem a cara e o jeito da Ferj . Uma instituição pública que mantém um mesmo Presidente por 14 anos, passa a ser propriedade privada desse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *