“Un carallo a tiempo es una victoria dialéctica” (by Camilo José Cela) – por Antonio Gonzalez

O Prêmio Nobel de Literatura de 1989, Camilo José Cela era amante da provocação e da controvérsia até a mais profunda das entranhas.  O escritor nascido em La Coruña (Galícia), assim como o eterno Tricolor Nelson Rodrigues era de direita (tanto que lutou na Guerra Civil Espanhola – 1936/1939 – nas tropas falangistas que eram pro Franco).  E como bom galego, não se cortava na hora de dizer o que pensava, na cara e na lata.

Membro do Senado espanhol por decreto real (Rei Don
Juan Carlos Alfonso Víctor María de Borbón y Borbón-Dos Sicilias) , na transição espanhola, em 1977 quando se debatia o projeto da Constituição, dormiu em uma sessão.  O Presidente do Senado, Antonio Fontán, percebendo o ocorrido dirigiu-se ao senador despertando-lhe e lhe disse “Camilo, você está dormido!”…

O galego respondeu de bate pronto: “Estou dormindo e não dormido”…

Fontán – catedrático de latim – replicou: “E não é o mesmo?”…

O escritor que era amante da provocação e da controvérsia até a mais profunda das entranhas, soltou uma sonora gargalhada respondendo que “Não. Da mesma forma que não é a mesma coisa estar fodido do que estar fodendo”…

O atual momento político do Fluminense tem disso… tem gente se fazendo de fodida mas que em realidade está fodendo com o clube, seja por interesses pessoais ou pelas imperiosas vontades dos seus grupos de se manterem no poder ou de conquistá-lo sem qualquer tipo de escrúpulo.

Tanto o abad (com minúscula mesmo tamanho é o respeito que merece de minha parte) assim como os personagens do (tri)(bi)(uno)unvirato, ao destilar o ódio que os alimenta, querem reinventar a história do clube, falando asneiras e cretinices sobre a década de 90, principalmente sobre a Vanguarda Tricolor.

Nada sabem porque não sabem de nada!

Pensam que estão me atacando e que eu fico nervoso ou preocupado… enquanto isso, eu cago para eles que não viveram os anos 1990 por um simples motivo: alguns nem sócios eram do clube e os outros sofrem de amnésia mesmo.

Ou eles se esqueceram que o Peter Siemsen era vanguardista?… Ou eles não se lembram que a base que criou esse monstro chamado flusócio (com minúscula mesmo tamanho é o respeito que merece de minha parte) também pertencia ao movimento que DEMOCRATIZOU o clube fazendo a reforma estatutária que permitiu a Eleição Direta para presidente da instituição?  Ou fazem questão de omitir que 2 membros do atual alto clero da flusócio (os quase primos) pertenceram aos quadros da VT?…

E esse teatro que estão fazendo agora nada mais é do que “mais do mesmo”… abad e flusócio são Mário, Tenório e Celso, da mesma forma que Mário, Tenório e Celso foram Peter até quando lhes interessou. Assim como o Fernando Simone já foi Peter, já foi Mário, agora é abad, da mesma forma que está se preparando para voltar a ser Mário!

É claro que sou contra uma reforma estatutária estapafúrdia, sem isonomia, casuística e amoral.

Basta o abad renunciar e o Fluminense ganha tempo. 

Mas não, esse indivíduo o que quer é que alguém entre na justiça e que se crie uma guerra nos tribunais.

Não estão pensando no que é melhor para a entidade: nem o abad, nem a flusócio, nem o (tri)(bi)(uno)unvirato. NÃO TEM um plano de recuperação econômica, menos ainda de revitalização das combalidas e agonizantes finanças da Instituição.

E fazer futebol de forma inconseqüente é acelerar o passo neste momento para a expressa “americanização” do Fluminense.  Dizer que vender as Laranjeiras e acabar com os Esportes Olímpicos representam a solução para os problemas é uma falácia.

Propositalmente estive as últimas semanas sem escrever, queria saber até onde iria a covarde valentia dos que transpiram o ódio inerente aos incompetentes.

Voltando a Camilo José Cela, é dele a seguinte frase (já traduzida): “o ruim dos que acreditam estar com a posse da verdade é que quando a tem que demonstrar não acertam nada!”…

Ora senhores… é binário, simples… ou você é tão bom quanto eles e acredita nessas ilusas e transviadas ilusões (tipo petequeiros Gressin 2000 do posto 6)… ou acredita naqueles que partem para a busca das verdadeiras soluções que possam colocar o Fluminense no seu lugar de locomotiva no cenário do futebol brasileiro.

A renúncia do abad é o caminho, tenham a certeza disso… eleições no máximo em 45 dias. O resto é ilusão barata, quer dizer, enrolação.

Sei que tenho um grande defeito: NÃO TENHO MEDO DE TROCAR PORRADA SOZINHO… em qualquer terreno.

De resto, o título deste texto traduz o que eu quero dizer aos inventores do que se passou na década de 1990:

“Un carallo a tiempo es una victoria dialéctica”

Portanto:

Vão tomar banho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *